Programa de Recompensas

Programa Estadual de Recompensa

O que é?

Serviço que recompensa em até R$ 50 mil denunciantes anônimos com informações que ajudem a polícia a esclarecer crimes ou localizar foragidos da justiça. O Programa Estadual de Recompensa estimula a participação da população com denúncias que ajudem a polícia.

Quais são os casos em que são oferecidas recompensas?

Os casos que fazem parte do Programa Estadual de Recompensa estarão no link "Recompensas", com informações sobre o crime a ser solucionado ou o foragido que precisa ser capturado.

Quem pode receber a recompensa?

Qualquer pessoa pode receber anonimamente a recompensa por um caso do Programa Estadual de Recompensa, desde que contribua com informações relevantes para a polícia esclarecer um crime, ou seja, aqueles que informarem dados que resultem na identificação do autor ou na localização e prisão de um procurado pela justiça.

Como denunciar?

As denúncias para o Programa Estadual de Recompensa serão feitas no WebDenúncia (http://www.webdenuncia.org.br/). Ao final do processo, o denunciante recebe um número de protocolo e uma senha para que ele possa acompanhar anonimamente o uso da sua informação, assim como é feito em todos os casos da ferramenta online.

O que é o WebDenúncia?

O WebDenúncia (http://www.webdenuncia.org.br/) é uma parceria entre a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo com o Instituto São Paulo Contra a Violência (ISPCV). Por meio desta plataforma inédita no Brasil, é possível fazer denúncias anônimas pela Internet.

Como vou saber se vou ser recompensado?

A seção de acompanhamento do WebDenúncia mostrará para o denunciante se a sua informação foi recompensada.

Como será garantido o meu anonimato?

O WebDenúncia é extremamente seguro, pois conta com dupla criptografia de dados, o que impede qualquer pessoa de invadir o sistema. O modelo é inédito no país, pois mantém em sigilo a identidade do denunciante durante todo o processo, inclusive no pagamento da recompensa.

Como vou receber a minha recompensa?

Quando o denunciante for informado que será recompensado, a tela de acompanhamento do WebDenúncia apresentará um número de cartão bancário virtual, que permitirá saques da recompensa em qualquer caixa eletrônico do Banco do Brasil, sem a necessidade de que ele se identifique. A quantia poderá ser retirada de uma vez ou aos poucos, assim como é feito com um cartão bancário comum.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 10 mil por informações que contribuam na localização de Dionatan Lucas da Silva, conhecido como “Closeup”, procurado por homicídio.

Dionatan Lucas da Silva é procurado pelo homicídio do diretor do Centro de Segurança e Disciplina de Praia Grande, Charles Demitre Teixeira. Ele tem prisão temporária decretada pela 1ª Vara Criminal de Praia Grande. Charles Demitre Teixeira foi morto a tiros quando chegava em casa no dia 21 de agosto. O agente penitenciário, que tinha 30 anos, chegava em sua casa, no Jardim Real, quando foi alvejado ao tentar estacionar na garagem do imóvel.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 10 mil por informações que contribuam na localização de Cássio Guedes, conhecido como “Tsunami”, procurado por homicídio.

Cássio Guedes é procurado pelo homicídio do diretor do Centro de Segurança e Disciplina de Praia Grande, Charles Demitre Teixeira. Ele tem prisão temporária decretada pela 1ª Vara Criminal de Praia Grande. Charles Demitre Teixeira foi morto a tiros quando chegava em casa no dia 21 de agosto. O agente penitenciário, que tinha 30 anos, chegava em sua casa, no Jardim Real, quando foi alvejado ao tentar estacionar na garagem do imóvel.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 10 mil por informações que contribuam na localização de Valdir da Silva Cavalcante, conhecido como “Grilo”, procurado por homicídio.

Valdir da Silva Cavalcante foi identificado pela Polícia Civil como o responsável pela morte do agente penitenciário Agnaldo Cardoso de Oliveira, ocorrida no dia 23 de março de 2014. A vítima trabalhava no Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Vicente. O homem foi atingido por tiros no abdômen e na axila, enquanto participava de um churrasco na Vila São Jorge. Ele foi socorrido ao Hospital Municipal de São Vicente, mas morreu dois dias depois, devido à gravidade dos ferimentos.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 30 mil por informações que contribuam com o esclarecimento do homicídio doloso do agente penitenciário Agnaldo Barbosa Lima, ocorrido em 9 de setembro de 2014.

O agente, que tinha 43 anos, morreu após ser baleado, na Rua Sylvio Lagreca, no Parque Ipê, zona oeste da cidade de São Paulo. Segundo testemunhas, a vítima e um colega estavam a caminho do trabalho quando uma pessoa passou, se aproximou e atirou. O agente foi socorrido, mas morreu no hospital. O caso é investigado pela Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 30 mil por informações que contribuam com o esclarecimento do homicídio doloso do agente penitenciário Cleoni Geraldo Lima, ocorrido em 7 de outubro de 2014.

O agente, que tinha 50 anos, morreu ao ser baleado no bairro União da Vitória, em Campinas, interior de São Paulo. A vítima foi socorrida ao Hospital Ouro Verde, mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo testemunhas, Cleoni estava na frente de casa, dentro de seu carro, quando foi abordado por suspeitos que conduziam um Nissan Livina prata – que era roubado. Dois homens desceram do carro e atiraram.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 30 mil por informações que contribuam com o esclarecimento do homicídio doloso do agente penitenciário Marcos Antonio Azenha, ocorrido em 3 de novembro de 2014.

O agente, que tinha 47 anos, foi morto a tiros na porta de sua casa, no bairro do Limoeiro, em Taiúva, município do interior de São Paulo. Segundo testemunhas, ele foi baleado após sua esposa ser rendida no portão e ele sair para ajudá-la.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 30 mil por informações que contribuam com o esclarecimento do homicídio doloso do cabo da Polícia Militar Alaor Branco Junior, ocorrido em 30 de outubro de 2014.

O policial militar foi baleado na cabeça por criminosos, enquanto tentava prendê-los após uma tentativa de roubo a carro forte na Rodovia Doutor Adhemar Pereira de Barros (SP-340), em Aguaí, interior paulista.

Roger Abdelmassih, procurado por estupro, foi preso em 19 de agosto de 2014, no Paraguai, após passar cerca de quatro anos foragido da Justiça.

Ele é médico especialista em reprodução humana e pioneiro da fertilização in vitro no Brasil. Foi condenado a 278 anos de prisão pela Justiça de São Paulo por 52 estupros e atentados violentos ao pudor contra suas próprias clientes.

A prisão do médico somente foi possível por informações obtidas em investigações do Ministério Público do Estado (MPE), que contaram com a colaboração da Polícia Civil do Estado de São Paulo.

As apurações incluíram o cumprimento de mandados de busca e apreensão autorizados pela Justiça numa fazenda da de propriedade do médico em Avaré, em maio. Dos trabalhos, participaram promotores e policiais civis.

O Programa Estadual de Recompensa oferecia R$ 10 mil por informações que contribuíssem com a localização de Roger Abdelmassih, mas não será pago, pois a prisão não aconteceu por causa de denúncia.

Marcio Geraldo Alves Ferreira, conhecido como Buda, foi preso na zona norte da Capital, no dia 25 de novembro de 2014. A detenção ocorreu após investigações da Delegacia de Vigilâncias e Capturas da Polícia Civil.

Marcio Geraldo Alves Ferreira, conhecido como Buda, estava foragido desde 2010. É suspeito de ter colaborado no planejamento e na preparação de uma tentativa de fuga - que seria realizada no começo de 2014 - de Marco Willians Herbas Camacho (Marcola), Cláudio Barbará da Silva (Barbará), Célio Marcelo da Silva (Bin Laden) e Luiz Eduardo Marcondes Machado de Barros (Du Bela Vista), da penitenciária P2 de Presidente Venceslau.

Buda teria pesquisado e articulado a instalação de uma base de apoio para a operação em Porto Rico, no Paraná. Além disso, seria um dos responsáveis por selecionar os helicópteros que seriam usados na ação. Para isso, realizou diversos voos panorâmicos por São Paulo na tentativa de escolher uma empresa de táxi aéreo. Ele também é acusado de chefiar o tráfico de drogas na zona norte de São Paulo.

O Programa Estadual de Recompensa oferecia R$ 5 mil por informações que contribuíssem com a localização de Marcio Alves Ferreira, mas não será pago, pois a prisão não aconteceu por causa de denúncia.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 5 mil por informações que contribuam na localização de Sonia Aparecida Rossi, procurada por tráfico de drogas.

Sonia Aparecida Rossi, conhecida como Maria do Pó, é traficante de drogas e está foragida desde 2006, quando fugiu da penitenciária de Santana.

Já se utilizou de diversos nomes falsos, como Sandrinha, Professora, Tata ou Tia.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 5 mil por informações que contribuam para solucionar o latrocínio (roubo seguido de morte) de Gomides Vaz de Lima Neto, no dia 8 de abril de 2014.

O professor Gomides Vaz de Lima Neto, de 46 anos, foi morto por dois suspeitos no dia 8 de abril durante um assalto em frente a um supermercado, na Vila Mariana, zona sul da Capital. Lima Neto estava dentro de um VW Golf branco enquanto aguardava por sua namorada, que fazia compras em um supermercado na rua Abílio Soares, na Vila Mariana. A dupla de assaltantes anunciou o roubo e atirou duas vezes contra ele, que foi socorrido ao Pronto Socorro Vergueiro, onde morreu.

A polícia tem imagem de dois suspeitos. Eles foram flagrados pelas câmeras de circuito interno de um edifício na Rua Maracai, no bairro Cambuci, após abandonarem o veículo que roubaram do professor. As imagens da filmagem apreendida pela polícia foram congeladas.

Um dos suspeitos, Wallace Novak Rodrigues, de 18 anos, foi preso no dia 26 de maio. O outro suspeito foi identificado e se chama Walber da Silva de Farias, de 19 anos. Ele teve a prisão decretada e está foragido. Integrantes da 1ª Patrimônio (Delegacia de Investigações sobre Roubo e Latrocínio) do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) identificaram os dois autores. A dupla passou a ser monitorada pelos sistemas de cruzamento de informações. Os policiais constataram que Wallace, que usava documento falso, tinha sido detido em 23 de abril, na região do Belém, Zona Leste. A equipe do Deic requisitou o preso, que confessou o crime.


Wallace Novak Rodrigues - Preso

Walber da Silva de Farias - Foragido

 

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 5 mil por informações que contribuam para solucionar o latrocínio (roubo seguido de morte) de Benedito Virgulino, no dia 4 de abril de 2014.

O aposentado Benedito Virgulino, de 69 anos, morreu durante um assalto, na Avenida Líder, bairro Cidade Líder, zona leste da Capital. O idoso realizou um saque em uma agência bancária pouco antes de embarcar em um ônibus na mesma avenida. A vítima foi abordada por dois homens armados que entraram no veículo.

A dupla exigiu o dinheiro que o aposentado tinha sacado. Os passageiros desceram do coletivo e ouviram um disparo. O idoso foi atingido e morreu no local. Os dois suspeitos fugiram.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 2,5 mil por informações que contribuam na localização de Caio Rodrigues, procurado por homicídio duplamente qualificado.

Caio Rodrigues, de 19 anos, está foragido desde junho de 2013. Ele é acusado de matar Diego Ribeiro Cassas, de 18 anos, por volta das 6h30 do dia 7 de junho de 2013.

O crime ocorreu no estacionamento de uma lanchonete no cruzamento da Rua Henrique Schaumann com a Avenida Rebouças, na zona oeste da Capital.

O agressor começou uma briga com a vítima dentro de uma casa noturna e o perseguiu até o estacionamento da lanchonete, onde deu um tiro na cabeça da vítima.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 5 mil por informações que contribuam na localização de Manoel Lopes de Araújo Filho, procurado por sequestro, abuso sexual, agressão e roubo.

Manoel Lopes de Araújo Filho é foragido da penitenciária de Tremembé desde 2010, onde cumpria pena por roubo. É procurado por sequestrar, agredir e molestar sexualmente uma menina de 8 anos, mantendo-a em cativeiro dentro de um guarda-roupas durante 14 dias, em uma casa no Jardim Sidra, na zona leste da Capital.

O crime aconteceu em 28 de novembro de 2010. A Polícia Militar libertou a menor do cativeiro, localizado na Rua Artur Montenegro, após uma ligação para o 190 feita pela própria vítima no momento em que o agressor a deixou sozinha para fazer compras.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 2,5 mil por informações que contribuam na localização de Aurelito Borges Santiago, procurado por homicídio.

Aurelito Borges Santiago fugiu do Fórum de Ribeirão Preto em março de 2014 durante o seu julgamento pelo homicídio do estudante Rodrigo Cintra do Prado Pereira Bonilha, de 18 anos, em 2008.

A fuga aconteceu antes que o juiz desse a sentença em que foi condenado a 21 anos de prisão pelo crime.

O estudante foi baleado por volta das 5h30 do dia 26 de janeiro de 2008, na Praça Cornélio Pires, Jardim São Luiz, em Ribeirão Preto.

O Programa Estadual de Recompensa oferecia R$ 5 mil por informações que contribuíssem na localização de Marcelo Luciano Coelho. O homem foi preso por uma equipe das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), na tarde do dia 12/08.

Informações do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública (CIISP) indicaram que o foragido estava no estacionamento de um shopping em Guarulhos, na Grande São Paulo. Quando foi abordado, ele apresentou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em nome de outra pessoa.

O preso é acusado por dano, desobediência, explosão, furto, incêndio, lesão corporal, motim de presos, porte de drogas, receptação, resistência, tentativa de homicídio, aquisição, fabricação, posse e transporte de explosivos. Também responde a um processo por homicídio e é apontado como integrante de uma facção criminosa que promoveu diversas rebeliões em presídios.

O Programa Estadual de Recompensa oferece R$ 5 mil por informações que contribuam na localização de Ronaldo Calado Mendonça, procurado por tráfico de drogas.

Ronaldo Calado Mendonça é foragido da penitenciária de Bauru. É acusado de tráficos de drogas e de incendiar ônibus na região de Bauru. Também é apontado, em inquérito policial, como um dos líderes de uma facção criminosa.