Quarta-feira, 25/11/09 - 21:45

‘Dois de Ouro’: 118 anos a serviço da comunidade

Uma das quatro unidades mais antigas e tradicionais da PM, o 2º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano, comemorou, na tarde desta quarta-feira (25), seu 118º aniversário. Durante o evento, 39 personalidades civis e militares, além de instituições públicas e privadas, receberam a ‘Medalha Centenário’ – concedida àqueles que de alguma forma contribuíram com a instituição ou prestaram relevantes serviços ao Estado de São Paulo. O secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, prestigiou a solenidade realizada em um dos salões do Sport Clube Corinthians, no Parque São Jorge, na zona leste da Capital.

“Quero parabenizar a dedicação e o trabalho que vem sendo feito na zona leste pelo batalhão mais tradicional na área de polícia. Porque é o policial comunitário, aliado a outras unidades, o primeiro defensor dos direitos humanos; o primeiro protagonista da liberdade e da democracia é o patrulheiro”, ressaltou o coronel Álvaro Camilo, comandante geral da PM.   Camilo – um dos agraciados com a ‘Medalha Centenário’ – também agradeceu o respeito com que o secretário Antonio Ferreira Pinto tem tratado a Polícia Militar de São Paulo.

Pelo menos 500 pessoas participaram da cerimônia comemorativa, entre eles, o delegado geral adjunto da Polícia Civil, Alberto Angerami, e o secretário da Habitação, Lair Krahenbühl.

Parte da História
Fundado em 1º de dezembro de 1891, o 2º Batalhão da Polícia Militar “Coronel Herculano de Carvalho e Silva” caminha ao lado de importantes fatos históricos. Uma das quatro unidades mais antigas e tradicionais da PM – ao lado do 2º Grupamento dos Bombeiros, do Corpo Musical e do 1º Policiamento de Choque (Rota) –, o 2º BPM/M participou de dez campanhas de guerra, inclusive da Revolução Federalista, quando, ao libertar Curitiba, foi apelidado pela imprensa local de ‘Dois de Ouro’.
 
Mas as ações não páram por aí: a unidade também esteve presente na Revolução Constitucionalista de 1932, defendendo o Túnel da Mantiqueira, palco dos combates mais violentos do conflito, no qual 18 policiais morreram; além da Revolta da Vacina, no Rio de Janeiro, entre outras.

“Sinto-me honrado”. Foram essas as palavras do soldado temporário Daniel Santos Gonçalves, de 20 anos, que participou da comemoração trajando farda original dos policiais que atuaram na Revolução de 32, única que tem como acessório a cobertura (chapéu) de ‘caçador’. Na corporação há um ano, e há apenas três dias no batalhão, ele conta que sonhou em trabalhar na unidade para seguir o exemplo do pai: “Meu pai é cabo da PM e atuou 24 anos no 2º BPM/M. Ele foi transferido alguns dias atrás. A exemplo dele, sempre quis trabalhar no mais honrado batalhão”, justificou.

Controle de qualidade
O tenente-coronel Amélio Franchi Lemes Filho, que está há seis meses no comando do 2º BPM/M, conta que o sucesso de agraciamentos e prêmios de gestão de qualidade conquistados pela unidade deve-se ao empenho e à atualização constante dos policiais, para atender a população da melhor forma possível. “Além de tudo isso, costumo dar exemplo e motivação. Sou um comandante que sai para a rua e participa das ações e do policiamento ostensivo. O mínimo que meus homens podem fazer serem iguais a mim”, ressaltou o coronel, que faz parte do quadro da PM há 30 anos. O comandante espera receber, agora, o selo ouro de qualidade do ‘’Dois de Ouro’.
 
O ‘Dois de Ouro’
O 2º Batalhão da PM agrega cinco companhias de polícia, incluindo a de Força Tática. A unidade, responsável por mais de 30 bairros e 425 mil habitantes, recebeu, nos últimos dois anos, 33 viaturas e 12 motos.

O comandante da 1ª Cia do 2º Batalhão, capitão Elias Profeta Ramos de Araújo, retornou à unidade – onde trabalhou de 1993 a 1999 –, depois de quase uma década fora. Há 23 anos na Polícia Militar, ele conta que a tradição do ‘Dois de Ouro’ e o reconhecimento da população o fizeram voltar à unidade há um mês. “Hoje comando cerca de 100 homens, destinados ao atendimento de ocorrências do 190, Ronda Escolar, Base Comunitária Móvel, Base Comunitária Fixa e Ronda Comunitária, que combate rapidamente ocorrências graves e realiza o policiamento preventivo”, explicou o capitão.
 
O 2º BPM/M está sediado, desde 26 de fevereiro de 1971, na avenida Amador Bueno da Veiga, 2.274, na Vila Esperança,  na zona leste da Capital. Nele trabalham, atualmente, 681 policiais.

Michele Scarasati


Compartilhar em: